NFT – O que é? Como funciona? Como Comprar?

Já ouviu falar em NFT? Os NFTs se tornaram uma das maiores tendências do mundo dos criptoativos em 2021, com um aumento de 55% nas vendas em relação a 2020, que saíram de 250 para 389 milhões de dólares. 

Mesmo funcionando no mundo virtual, esse tipo de investimento, e é um investimento, não é igual a comprar bitcoins, como se pode pensar de primeira.

Continue lendo para tirar as suas dúvidas.

O que é NFT?

NFT é a sigla para o termo non fungible token, ou “token não fungível”. Eles são tokens, ou seja, códigos numéricos com registro de transferência digital que garantem autenticidade aos seus donos. 

Na prática, eles funcionam como itens colecionáveis, que não podem ser reproduzidos, mas sim transferidos. Diferente das criptomoedas, como o Bitcoin, e vários tokens utilitários, os NFTs não são mutuamente intercambiáveis.

Tenha em mente que NÃO-FUNGÍVEL: NA ECONOMIA, SÃO ATIVOS CUJAS UNIDADES NÃO PODEM SER TROCADAS SEM ALTERAR O VALOR.

Sendo assim, o token não fungível representa algo específico e individual, com “cartão de autenticidade” e que não pode ser substituído. Por exemplo, um bitcoin é fungível – troque um por outro bitcoin e você terá exatamente a mesma coisa. Uma arte, no entanto, não é fungível. Se você a trocasse por uma arte diferente, você teria algo completamente diferente.

Os NFTs podem realmente ser qualquer coisa digital, mas muito do “hype” gira em torno da arte digital. No entanto, vale ressaltar que eles podem representar virtualmente qualquer tipo de item, seja ele real ou intangível, incluindo:

  • Trabalhos artísticos;
  • Itens virtuais dentro de videogames, como skins, moedas digitais, armas e avatares;
  • Música;
  • Colecionáveis, como cards digitais;
  • Ativos do mundo real tokenizados, desde imóveis e carros a cavalos de corrida e tênis de marcas famosas;
  • Terrenos virtuais;
  • Vídeos de momentos icônicos do esporte.

Esse é o conceito por trás de NFTs: eles são como um tipo de assinatura digital que transforma qualquer tipo de mídia digital — um GIF ou JPEG, fotos, vídeos, mensagens, arquivos de áudio etc. — em um bem não-fungível. 

Os NFTs são projetados para dar a você algo que não pode ser copiado: propriedade da obra (embora o artista ainda possa reter os direitos autorais e de reprodução da obra física). Como exemplo, podemos dizer que qualquer um pode comprar uma gravura da Monalisa, mas apenas uma pessoa pode possuir o original. 

Entenda também que essa relação entre dados e valores – realizada pela NFT – é possível por causa de uma tecnologia chamada Blockchain. Esta é uma base de dados descentralizada que ficou famosa por servir de fundamento para as criptomoedas, como a Bitcoin e também a Ethereum.

Trata-se de um sistema onde é possível rastrear o recebimento e envio de determinados tipos de informações. Todas as transações ficam registradas em um tipo de documento oficial que pode ser acessado por qualquer usuário. 

Dada a natureza descentralizada do blockchain, há uma grande margem de segurança de que as informações armazenadas são seguras e invioláveis, o que encoraja o surgimento de um mercado em torno de NFTs de forma parecida com o que ocorre com as criptomoedas. 

Ou seja, qualquer item digital que o autor ou proprietário julgue necessário definir sua autoria pode ser atrelado a um NFT como uma forma de resguardar sua originalidade, na expectativa de comercialização. 

A maioria dos NFTs faz parte do Blockchain Ethereum. Os NFTs são armazenados em carteiras digitais (porém a carteira precisa ser especificamente compatível com NFT).  

Como funciona o NFT?

Saiba que um NFT pode ser criado por qualquer pessoa, afinal praticamente tudo no meio digital pode virar um NFT.  Transformar seu GIF ou imagem JPEG em um NFT, na verdade, é até bem simples e não requer grande conhecimento do mercado de criptomoedas.

Confira um passo a passo resumido de como criar um NFT:

1- Escolha qual blockchain será utilizado para a emissão de seus NFTs. Atualmente, o Ethereum é o blockchain mais utilizado para isso.

2 – Considerando o Ethereum como escolhido nesse exemplo, você precisará de: a) Uma carteira compatível com a rede que suporte tokens ERC-721; b) Cerca de US$50 a US$100 em ether (ETH)

3 – Considerando o OpenSae como marketplace escolhido, você cria o “pacote”/coleção para os seus NFTs com nome, logo e descrição

4 – Agora você  seleciona o arquivo, define nome e descrição, e também determina à qual coleção o seu NFT pertencerá. 

5 – Pronto, você tem seu primeiro NFT.

 

Porém, essa criação não garante que o item que o NFT está vinculado irá ter valor no mercado. Mas se houver algum valor, esse NFT vai ser lançado no mercado, podendo ser comprado e vendido. Tudo isso é operado pela Ethereum, que registra cada transação através dos contratos inteligentes ou smart contracts.

Se você for o criador de um NFT, existe também um recurso que você pode ativar e que vai pagar uma porcentagem cada vez que o NFT é vendido ou muda de mãos, certificando-se de que, se seu trabalho se tornar super popular e aumentar o valor, você verá parte desse benefício. 

Existem vários mercados que surgiram em torno dos NFTs, que permitem que as pessoas comprem e vendam. Isso inclui OpenSea, Rarible, Nifty Gateway e muitos outros. 

Também existem  jogos que permitem que você tenha NFTs como itens. Isso quer dizer que podem existir oportunidades para os jogadores comprarem uma arma ou capacete exclusivo no jogo ou qualquer outra coisa como um NFT.

Como comprar NFT: Cuidados ao investir em NFT

Quer investir em NFT? É necessário entender que o investimento está sujeito à alta volatilidade tanto do jogo, por exemplo, quanto do mercado.

Você consegue ganhar muito em um curto período de tempo, mas esse tipo de investimento deve ser pensado para médio ou longo prazo. O ideal é não colocar mais do que 3% de seu patrimônio nesses ativos.

O segredo está na assimetria de lucros. Com o potencial de valorização, basta uma pequena parcela para que o investidor mude seu patamar financeiro. Por outro lado, ele não arrisca seu patrimônio nem o dinheiro de que possa vir a precisar para coisas básicas. 

Uma regra básica, inclusive, do investimento em criptomoedas. A diferença aqui é que o que você vende e recebe é uma peça única, enquanto numa transação de bitcoins você vai dar e receber a mesma coisa. 

Ficou alguma dúvida? Deixe nos comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.